Perguntas feitas durante uma entrevista

Durante uma entrevista de emprego, são realizadas várias perguntas sobre a sua experiência profissional, capacidades, aptidões. Normalmente, elas são direcionadas para a sua área de atuação específica, mas alguma são comuns a todos (ou quase todos) os candidados e entrevistadores.

Conhecer algumas das perguntas básicas, meditar sobre elas antes de ir para a entrevista, e analisá-las com calma podem ajudar bastante ao candidado.

Abaixo, você verá algumas das perguntas mais comuns, e que talvez sejam feitas durante uma entrevista:

– Por que está se candidatando a esse emprego?
– Por que quer trabalhar para essa empresa?
– O que sabe sobre o trabalho/a empresa/a indústria?
– Já fez esse tipo de trabalho antes?
– Que tipo de máquinas sabe operar?
– Que experiência tem nesse ramo?
– Que habilidades você tem que talvez sejam úteis para esse trabalho?
– Fale-me sobre você.
– Que cinco palavras diria que o descrevem melhor?
– Consegue trabalhar sob pressão?
– Por que deixou seu emprego anterior?
– Por que está há tanto tempo desempregado?
– O que seu ex-patrão achava de você?
– Costumava faltar ao trabalho no seu emprego anterior?
– Quais são seus planos para o futuro?
– Quando pode começar a trabalhar?
– Quais são suas maiores aptidões?

Lenda da formiga

Todos os dias, a FORMIGA chegava cedinho ao escritório e pegava duro no trabalho. Era produtiva e feliz.

O gerente MARIMBONDO, estranhou a FORMIGA trabalhar sem supervisão. Se ela era produtiva sem supervisão, seria ainda mais se fosse supervisionada.

E colocou uma BARATA, que preparava belíssimos relatórios e tinha muita experiência, como supervisora.

A primeira preocupação da BARATA foi a de padronizar o horário de entrada e saída da FORMIGA.

Logo a BARATA precisou de uma secretária para ajudar a preparar os relatórios e contratou também uma ARANHA para organizar os arquivos e controlar as ligações telefônicas.

O MARIMBONDO ficou encantado com os relatórios da BARATA, e pediu também gráficos com indicadores e analise das tendências que eram mostradas em reuniões. A BARATA então contratou uma MOSCA, e comprou um computador com impressora colorida.

Logo a FORMIGA produtiva e feliz, começou a lamentar-se de toda aquela movimentação de papéis e reuniões que eram feitas.

O MARIMBONDO concluiu que era o momento de criar a função de gestor para a área onde a FORMIGA produtiva e feliz, trabalhava. O cargo foi dado a uma CIGARRA, que mandou colocar carpete no seu escritório e comprar uma cadeira especial.

A nova gestora CIGARRA logo precisou de um computador e de uma assistente (sua assistente na empresa anterior) para ajudá-la a preparar um plano estratégico de melhorias e um controle do orçamento para a área onde trabalhava a FORMIGA, que já não cantarolava mais e cada dia se tornava mais chateada.

A CIGARRA então convenceu o gerente MARIMBONDO, que era preciso fazer um estudo de clima. Mas o MARIMBONDO, ao rever as cifras, se deu conta de que a unidade na qual a FORMIGA trabalhava já não rendia como antes, e assim contratou a CORUJA, uma prestigiada consultora, muito famosa, para que fizesse um diagnóstico da situação.

A CORUJA permaneceu três meses nos escritórios e emitiu um volumoso relatório, com vários volumes que concluía: “Há muita gente nesta empresa”.

O MARIMBONDO seguindo o conselho do relatório da CORUJA, mandou demitir a FORMIGA, porque ela andava muito desmotivada e aborrecida.

A decisão

Charles Chaplin não foi somente um grande comediante, criativo, que nos legou peças raras do cinema. Soube legar mensagens de piedade, de compaixão, mesmo numa época em que o cinema ainda era mudo.

Servindo-se da possibilidade que detinha, criou o personagem “Carlitos”, doce, ingênuo e trapalhão, tudo ao mesmo tempo.

Contudo, com um detalhe indiscutível: uma imensa capacidade de amar.

Sabendo tecer críticas sem se tornar agressivo, Charles Chaplin legou ao mundo um acervo considerável de peças cinematográficas, até hoje vistas e revistas.

Mas, não somente fez cinema. Como ser humano, desde cedo, sofreu muito, vivenciando na infância a dor da orfandade paterna e a doença mental de sua mãe.

Triunfando, apesar de todas as adversidades, ele escreveu belas páginas, e uma delas fala exatamente em como superar os obstáculos da vida. Chama-se: a decisão, e diz assim:

“Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer, antes que o relógio marque meia-noite. É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje.

Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a poluição.

Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício.

Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por estar vivo.

Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria, ou posso ser grato por ter nascido.

Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho.

Posso sentir tédio com as tarefas da casa ou agradecer a Deus por ter um teto para morar.

Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades.

Se as coisas não saíram como planejei, posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar.

O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser.

E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. Tudo depende de mim.”

Você já parou para pensar em como pode decidir pela sua felicidade ou infelicidade, a cada dia?

Já se deu conta de que tudo depende da forma como você encara o que acontece?

Há tantos momentos na sua vida, que você desperdiça, e passa na inutilidade ou na reclamação.

Momentos que podem se transformar em aflições ou em alegrias.

Num momento você pode resolver vencer ou se entregar à derrota; libertar-se das velhas fórmulas de queixas ou prosseguir acabrunhado e triste.

Lembre-se: a cada segundo você pode decidir o momento seguinte. Por isso, resolva-se pela escolha da melhor parte, porque este é o seu momento de decisão.

Jogo dos erros

A cadeia de supermercados Superquinn, na Irlanda, achou uma maneira nova de melhorar seus serviços ao consumidor e aumentar as vendas ao mesmo tempo: criou a promoção “Pisadas na Bola”, na qual os consumidores são convidados a entrar no clube de afinidade da Empresa. Eles recebem um cartão com dez “pisadas na bola”, erros no serviço da Empresa que podem acontecer com eles, para que prestem atenção nisso – coisas como carrinhos de compras com rodas desalinhadas ou travadas, produtos com datas vencidas nas prateleiras e a presença de frutas estragadas. Aqueles que acharem algum desses erros ganham pontos que podem ser trocados por descontos e prêmios.

O dono da empresa, Feargal Quinn, diz que o seu supermercado é o único do mundo em que os clientes se alegram com algum serviço ruim.

Como me vestir na entrevista de emprego?

Listaremos aqui algumas dicas super importantes de que roupa se deve ou não usar na sua entrevista para um novo emprego.

Todos sabemos que uma boa apresentação é fundamental, afinal “a primeira impressão é a que fica”, mas por vezes não temos certeza de que roupa é a mais adequada, ou se os acessórios são exagerados (para o caso específico das mulheres).

Roupas
Você está indo para uma entrevista de emprego, um dos compromissos mais importantes do mundo moderno, e não para um desfile de modas ou para a praia. O traje escolhido deve ser discreto, e não chamar a atenção. Esqueça as camisas floridas, tops apertados, mini-blusas e mini-saias. Para a entrevista, prefira o fundamental:
Homens: terno de cores escuras e camisa branca;
Mulheres: tailler também de cor escura.

Gravatas
Este suplemento do vestuário masculino deve ser tão discreto quando o restante do vestuário. Esqueça as estampas grandes e de cores chamativas. Prefira as estampas pequenas, entre 1 e 2 centímetros, e de cor combinando com o terno. Estampas de bichinhos, personagens de quadrinhos etc estão totalmente fora de cogitação.

Acessórios
Como já dito, o vestuário deve ser discreto, para que você seja o alvo de toda a atenção do entrevistador, e não as suas roupas. Brincos grandes, correntes para fora da camisa, pochetes, bolsas grandes e outros itens estão totalmente proibidos.

Celulares
Os seus pais, avós etc sobreviveram muito bem uma vida inteir sem a existência dos telefones celulares, portanto você pode passar alguns minutos sem ele. Desligue-o antes mesmo de entrar na empresa.
Em casos de emergência (alguém doente na família, por exemplo), avise o seu entrevistador de que você pode ser chamado, mas mantenha o celular no vibra-call, ou no volume mínimo.
A sua atenção durante a entrevista deve estar focada no entrevistador, e não em alguém do outro lado da linha.