desemprego

É possível ter satisfação e estabilidade no trabalho?

‘O DIREITO ao trabalho’ é fundamental para todos os humanos, segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos, emitida pelas Nações Unidas. Essa prerrogativa, porém, nem sempre é garantida. A estabilidade no emprego depende de muitas coisas — desde o bom desempenho das economias locais até a condição do mercado global. No entanto, diante da perda ou da ameaça de perda do emprego, muitas vezes há manifestações, revoltas e greves. Poucos países são imunes a isso. Até mesmo a palavra “trabalho”, disse certo escritor, “é, como sempre foi, uma palavra que pode mexer com as emoções”. Para nós, o trabalho é importante por muitos motivos. Além de nos dar uma renda, contribui para o nosso bem-estar mental e emocional. O trabalho satisfaz o desejo humano de ser um membro produtivo da sociedade e de ter um objetivo na vida. Também cria em nós certa medida de auto-estima. É por isso que alguns que têm dinheiro mais do que suficiente para cuidar das suas necessidades, ou que já poderiam aposentar-se, preferem continuar a trabalhar. De fato, o trabalho é tão importante, que a falta dele costuma criar sérios problemas sociais.

Por outro lado, há aqueles que têm emprego, mas sofrem tantas pressões no trabalho, que perdem a satisfação no que fazem. Por exemplo, por causa do atual mercado muito competitivo, um número cada vez maior de firmas reduziu seu pessoal para cortar as despesas. Isso pode gerar trabalho adicional para os demais funcionários.

A tecnologia moderna, que supostamente torna a vida mais fácil e o trabalho mais eficiente, pode ter aumentado as pressões no local de trabalho. Por exemplo, computadores, aparelhos de fax e a internet dão às pessoas a opção de levarem o trabalho para casa no fim do dia, transformando o lar numa extensão do escritório. Certo funcionário sentia que o pager e o celular da firma eram como uma coleira invisível que o seu patrão usava para controlá-lo.

A economia e o ambiente de trabalho passam por constantes mudanças e um crescente temor de muitos idosos é que sejam considerados obsoletos antes da hora. Nesse respeito, o ex-Comissário de Direitos Humanos Chris Sidoti declarou: “Parece haver um estereótipo no sentido de que, a não ser que você tenha menos de 40 anos de idade, não conseguirá lidar com os computadores e a nova tecnologia.” Por isso, muitos bons trabalhadores que antes teriam sido considerados como estando no primor da vida, agora são tidos como velhos demais para serem úteis. Que tragédia!

Não é de admirar que a ética de trabalho e a lealdade à empresa tenham sofrido um abalo nos últimos anos. “Quando as firmas despedem pessoas por causa duma pequena oscilação na bolsa, a lealdade corporativa torna-se algo do passado”, disse a revista francesa Libération. “É claro que você tem de trabalhar, mas para você mesmo, não para a firma.”

Apesar desses crescentes problemas, continua a existir a necessidade humana básica de trabalhar. Então, nos nossos tempos de mudanças rápidas, como se pode cultivar um conceito equilibrado sobre o trabalho secular e, ao mesmo tempo, manter um senso de segurança e de satisfação no trabalho?

Cuidados com agências de emprego on-line

Um dos maiores sites de emprego nos Estados Unidos tem alistados cerca de 17 milhões de currículos para pesquisa dos empregadores, e 800 mil empregos para consulta dos que estão desempregados. Estudos indicam que, em alguns países, até 96% das pessoas procuram empregos pela internet. Mas uma pesquisa feita com profissionais de 40 países mostra que, dentre esses, apenas 5% dos que procuram emprego realmente encontram trabalho por esse meio.

Colocar seu currículo na internet faz com que mais empregadores saibam que você está procurando emprego, mas é preciso cautela. Isso também aumenta a possibilidade de você se tornar vítima de fraude. Para protegê-lo disso, especialistas no ramo dão os seguintes conselhos:

1. Leia a política de privacidade de uma agência de emprego pela internet antes de enviar seu currículo.
Alguns sites de emprego vendem pormenores sobre sua pessoa a empresas de marketing em massa ou a outros interessados.

2. Envie seu currículo apenas para alguns sites de emprego confiáveis.
É importante proteger informações pessoais para que não sejam mal utilizadas. Seu currículo nunca deve conter informações que um ladrão precisa para roubar sua identidade e lhe causar intermináveis problemas financeiros. Empregadores legítimos não precisam saber o número de sua conta, de seu cartão de crédito ou a data de seu nascimento.

3. Cuidado com ofertas de emprego que não são específicas.
Pam Dixon, pesquisadora do World Privacy Forum, diz que, quanto mais generalizada for a oferta, menos confiável será. Ela diz também: “Frases do tipo ‘temos milhares de vagas’ ou ‘trabalhamos com as maiores empresas’ são um sinal de alerta. Pedidos para enviar uma cópia de seu currículo também podem representar problemas.”

Lembre-se, mesmo os mais confiáveis sites de emprego não têm como controlar o que acontece com o seu currículo depois de ele ter sido baixado da internet por um empregador ou por outros interessados.

Perguntas feitas durante uma entrevista

Durante uma entrevista de emprego, são realizadas várias perguntas sobre a sua experiência profissional, capacidades, aptidões. Normalmente, elas são direcionadas para a sua área de atuação específica, mas alguma são comuns a todos (ou quase todos) os candidados e entrevistadores.

Conhecer algumas das perguntas básicas, meditar sobre elas antes de ir para a entrevista, e analisá-las com calma podem ajudar bastante ao candidado.

Abaixo, você verá algumas das perguntas mais comuns, e que talvez sejam feitas durante uma entrevista:

– Por que está se candidatando a esse emprego?
– Por que quer trabalhar para essa empresa?
– O que sabe sobre o trabalho/a empresa/a indústria?
– Já fez esse tipo de trabalho antes?
– Que tipo de máquinas sabe operar?
– Que experiência tem nesse ramo?
– Que habilidades você tem que talvez sejam úteis para esse trabalho?
– Fale-me sobre você.
– Que cinco palavras diria que o descrevem melhor?
– Consegue trabalhar sob pressão?
– Por que deixou seu emprego anterior?
– Por que está há tanto tempo desempregado?
– O que seu ex-patrão achava de você?
– Costumava faltar ao trabalho no seu emprego anterior?
– Quais são seus planos para o futuro?
– Quando pode começar a trabalhar?
– Quais são suas maiores aptidões?

Como me vestir na entrevista de emprego?

Listaremos aqui algumas dicas super importantes de que roupa se deve ou não usar na sua entrevista para um novo emprego.

Todos sabemos que uma boa apresentação é fundamental, afinal “a primeira impressão é a que fica”, mas por vezes não temos certeza de que roupa é a mais adequada, ou se os acessórios são exagerados (para o caso específico das mulheres).

Roupas
Você está indo para uma entrevista de emprego, um dos compromissos mais importantes do mundo moderno, e não para um desfile de modas ou para a praia. O traje escolhido deve ser discreto, e não chamar a atenção. Esqueça as camisas floridas, tops apertados, mini-blusas e mini-saias. Para a entrevista, prefira o fundamental:
Homens: terno de cores escuras e camisa branca;
Mulheres: tailler também de cor escura.

Gravatas
Este suplemento do vestuário masculino deve ser tão discreto quando o restante do vestuário. Esqueça as estampas grandes e de cores chamativas. Prefira as estampas pequenas, entre 1 e 2 centímetros, e de cor combinando com o terno. Estampas de bichinhos, personagens de quadrinhos etc estão totalmente fora de cogitação.

Acessórios
Como já dito, o vestuário deve ser discreto, para que você seja o alvo de toda a atenção do entrevistador, e não as suas roupas. Brincos grandes, correntes para fora da camisa, pochetes, bolsas grandes e outros itens estão totalmente proibidos.

Celulares
Os seus pais, avós etc sobreviveram muito bem uma vida inteir sem a existência dos telefones celulares, portanto você pode passar alguns minutos sem ele. Desligue-o antes mesmo de entrar na empresa.
Em casos de emergência (alguém doente na família, por exemplo), avise o seu entrevistador de que você pode ser chamado, mas mantenha o celular no vibra-call, ou no volume mínimo.
A sua atenção durante a entrevista deve estar focada no entrevistador, e não em alguém do outro lado da linha.

A importância de um currículo virtual

No mundo informatizado de hoje, a forma clássica de currículo em papel está cada vez mais em desuso, por parte dos setores de RH das empresas. Afinal, quem tem tempo para ler dezenas ou centenas de currículos que são recebidos todos os meses? Isso sem contar o espaço utilizado para armazená-los e a questão ambiental, muito em voga atualmente.

Uma boa solução, e ecologicamente correta é montar um currículo virtual, ou webcurriculum. Mas o que é, e para que serve?
O currículo virtual pode ser definido basicamente como uma página pessoal na internet, com as suas informações profissionais, que podem ser acessadas a qualquer momento pelo departamento de recursos humanos das empresas, e assim também demonstra os seus conhecimentos em internet.

A forma de apresentação do seu currículo virtual pode ser desde a mais simples (contratando gratuitamente o espaço de um blog, por exemplo) até o mais complexo (registrando um domínio seu próprio (p. ex. www.josedasilva.com.br) com todas as suas informações, foto, currículo, apresentações em flash, vídeos e tudo mais que você acreditar que é importante para o seu currículo, de acordo com a sua área.

Uma boa saída, caso você não tenha vastos conhecimentos de internet, é pedir ajuda para algum amigo que trabalhe na área.

Alguns sites de cadastro de currículos (tanto os pagos como os gratuitos) oferecem uma opção de apresentação e divulgação do seu currículo através de uma página fixa, exclusiva sua. Quando se cadastrar em algum desses sites, pesquise sobre essa opção e anote a URL do seu currículo.
Mas não pense que simplesmente montado o seu currículo já é o bastante… Você precisará divulgá-lo. Cadastre-se em sites de busca (Google, Yahoo etc) e divulgue-o nos seus e-mails, Orkut, fóruns de discussão. Envie por e-mail o endereço (URL) dele por e-mail para os departamentos de Rh das empresas que você tiver interesse. Mas por favor, não pratique SPAM. Entre em contato previamente por telefone, e solicite o e-mail de contato. Explique o que será enviado, para que o mesmo seja recebido, lido e tenha a atenção devida.

Quando for criar o seu currículo por conta própria, tome os mesmos cuidados de um currículo convencional em papel:
– Seja sucinto, claro e objetivo;

– Não é necessária a indicação da escola em que fez o curso primário. Atente-se aos cursos mais importantes, em ordem cronológica do mais recente para o mais antigo;

– Para facilitar o preenchimento das informações e ter certeza de que não existem erros, digite primeiro o seu currículo em algum editor de texto com corretor ortográfico. Estando pronto, basta selecionar, copiar e colar nos lugares certos.

Esperamos que estas dicas o ajudem na obtenção de um novo emprego!