profissão

Como manter o emprego na crise

Em tempos de crise, é muito importante saber como se comportar dentro da empresa na qual trabalhamos, para que possamos ser reconhecidos pelos gerentes, e assim garantir o nosso emprego.

É muito importante acompanhar o mercado, e saber o que a empresa espera de nós. Entregar o trabalho desejado, dentro do prazo estipulado, e ainda se oferecer para outros serviços, para os quais inicialmente não fomos designados mostra comprometimento.

Manter-se atualizado sobre tudo à sua volta e com relação à sua profissão, rotinas, técnicas etc faz com que o profissional possa auxiliar de maneira melhor a empresa, apresentando novas soluções para problemas apresentados.

Quando se inicia uma crise interna, e se fazem necessários cortes de funcionário, não adianta mudar o seu comportamente. O gerente definirá quem deve ser mantido na empresa pelo histórico do profissional. O que ajuda nesses momentos é manter-se calmo, e mostrar-se participativo, colaborando com seus colegas. A empresa saberá exatamente quem deve ser cortado e quem deve ser mantido no quadro de funcionários. Ser o último desta lista é muito importante.

O pastor de ovelhas

Um pastor de ovelhas estava cuidando de seu rebanho, quando surgiu pelo inóspito caminho uma Pajero 4×4 toda equipada.
Parou na frente do velhinho e desceu um cara de não mais que 30 anos, terno preto, camisa branca Hugo Boss, gravata italiana, sapatos moderníssimos bicolores, que disse:
– Senhor, se eu adivinhar quantas ovelhas o senhor tem, o senhor me dá uma?
– Sim, respondeu o velhinho meio desconfiado.
Então o cara volta pra Pajero, pega um notebook, se conecta, via celular, à internet, baixa uma base de dados, entra no site da NASA, identifica a área do rebanho por satélite, calcula a média histórica do tamanho de uma ovelha daquela raça, baixa uma tabela do Excel com execução de macros personalizadas, e depois de três horas, diz ao velho:
– O senhor tem 1.324 ovelhas, e quatro podem estar grávidas.
O velhinho admitiu que sim, estava certo, e como havia prometido, poderia levar a ovelha.
O cara pegou o bicho e carregou na sua Pajero.
Quando estava saindo, o velho perguntou:
– Desculpe, mas se eu adivinhar sua profissão, o senhor me devolve a ovelha?
Duvidando que acertasse, o cara concorda.
– O senhor é advogado!! – diz o velhinho…
– Incrível! Como adivinhou?
– Quatro razões:
– Primeiro, pela frescura;
– Segundo, veio sem que eu o chamasse;
– Terceiro, me cobrou para dizer algo que já sei.
– E quarto, nota-se que não entende merda nenhuma do que está falando: devolve já o meu cachorro!

A metáfora do executivo e o pescador

“Um executivo de férias na praia obervava um pescador sobre uma pedra fisgando alguns peixes com equipamentos bastante rudimentares: linha de mão, anzol simples, chumbo e iscas naturais.
O executivo chega perto e diz:
– Bom dia, meu amigo, posso me sentar e observar?
O pescador:
– Tudo bem, doutor.
O executivo:
– Poderia lhe dar uma sugestão sobre a pesca?
– Como assim? – Respondeu o pescador.
– Se você me permite, eu não sou pescador, mas sou executivo de uma multinacional muito famosa e meu trabalho é melhorar a eficiência da fábrica, otimizando recursos, reduzindo preços, enfim, melhorando a qualidade dos nossos produtos. Sou um expert nessa área e fiz vários cursos no exterior sobre isto – disse o executivo, entusiasmado com sua profissão.
– Pois não, doutor, o que o senhor sugere? – Perguntou calmamente o pescador.
– Olha, estive observando o que você faz. Você poderia ganhar dinheiro com isso. Vamos pensar juntos. Se você pudesse comprar uma vara de pescar com molinete, poderia arremessar sua isca para mais longe, assim pescaria peixes maiores, certo? Depois disso, você poderia treinar seu filho para fazer este trabalho para você. Quando ele se sentisse preparado, você poderia comprar um barco motorizado com uma boa rede para pescar uma quantidade maior e ainda vender para as cooperativas existentes nos grandes centros. Depois, você poderia comprar um caminhão para transportar os peixes diretamente, sem os intermediários, reduzindo sensivelmente o preço para o usuário final e aumentando também a sua margem de lucro. Além disso, você poderia ir para um grande centro para distribuir melhor o seu produto para os grandes supermercados e peixarias. Já pensou no dinheiro que poderia ganhar? Aí você poderia vir para cá como eu vim, descansar e curtir essa paz, este silêncio da praia, esta brisa gostosa…
– Mas isso eu já tenho hoje! – respondeu o pescador, olhando fixamente para o mar”.